Page Nav

HIDE

Post/Page

Weather Location

Últimas Informações:

latest

Contatos imediatos com o mundo espiritual

Contatos imediatos com o mundo espiritual Sem dúvida, o dia 31 de outubro de 1916 caiu como uma bomba sobre a comunidade de ‘Estudantes...

Resultado de imagem para C. T. Russell
Contatos imediatos com o mundo espiritual
Sem dúvida, o dia 31 de outubro de 1916 caiu como uma bomba sobre a comunidade de ‘Estudantes da Bíblia’. Naquela data fatídica, seu mestre C. T. Russell exalou o último suspiro a bordo de um trem no Texas. Segundo o livro Proclamadores, p. 64, um clima de profundo pesar e desorientação abateu-se sobre os membros da Sociedade Torre de Vigia. Era compreensível, pois, conforme diz o próprio livro, “durante toda sua vida Russell  tinha sido ‘a Sociedade’ “. De fato, durante décadas o ‘pastor’ exerceu um autêntico ‘papado’ entre seus seguidores. Além de ser o acionista majoritário da Sociedade – portanto, a maior autoridade civil – sua palavra era, em questões doutrinais, sempre a última. Por anos, sua literatura alimentou a crença de que ele era o ‘servo fiel e prudente’ de Mateus 24: 45. Menos de dois meses após sua morte, a edição de 1/12/1916 de A Sentinela, p. 357, reafirmava tal crença, sendo que sua reimpressão, p. 6159, foi mais longe ainda, comparandoRussell ao apóstolo Paulo. Não eram palavras precipitadas ou emitidas sob forte emoção, pois, sete anos mais tarde, a edição de 1/3/1923 ratificou tais idéias, chamando o ‘pastor’ de ‘escolhido’. Perante tais declarações, não é de admirar que surgisse um desmedido culto de personalidade em torno da pessoa de Russell. Evidentemente, um rebanho órfão, carente da figura de seu líder, precisava de um consolo. Este não tardaria a vir.

Já no ano seguinte ao óbito de Russell - 1917 – a famosa publicação The Finished Mistery  [O Mistério Consumado], em suas páginas 144 e 256, trouxe as emocionantes palavras:
“Este verso (Revelação 8:3) mostra que, embora o Pastor Russell tenha transposto a cortina [ou morrido]eleainda está dirigindo cada aspecto do trabalho de colheita… Nós sustentamos que ele supervisiona… o trabalho a ser feito”
Perceba o leitor que o texto não faz uso de retórica. O autor não diz que o “ânimo”, o “espírito empreendedor” ou a “coragem” do falecido estavam entre os ‘Estudantes da Bíblia’ ou que estes se entregavam ao seu ministério com o mesmo “zelo”, “diligência” ou “à moda de seu líder”. Não, o comentário é feito no tempo presente e na terceira pessoa – ‘ele’ está, ‘ele’ supervisiona. E não foi uma declaração isolada. No mesmo ano, a edição de 1 de novembro de A Sentinela (p. 6161, reprints] ratificaria esta crença:
“Então nosso querido Pastor, agora em glória [morto]está, sem dúvida alguma, manifestando profundo interesse no trabalho de colheita, e Deus lhe permite exercitar uma forte influência em razão disso.”
Aqui vemos palavras praticamente idênticas, no mesmo tempo e na mesma pessoa. Não Deus,  mas Russell ‘está manifestando profundo interesse’. Não sua mensagem, mas ele exerce ‘forte influência’. Cremos que o texto não deixa margem para se evocar o uso de uma metáfora. Nem seria preciso, pois, ambas as declarações estavam de pleno acordo com a crença da época, de que Russell, imediatamente após sua morte, seria arrebatado ao seio de Jesus Cristo, afinal ele era um ‘escolhido’. Uma prova concreta disso pode ser vista até hoje na inscrição gravada em seu monumento fúnebre em forma de pirâmide:
tjs-sepulcro-de-russell
Portanto, o entendimento era: Russell vivia no plano espiritual e exercia influência direta nas ações da comunidade de ‘Estudantes da Bíblia’. Nesse caso, um Testemunha de Jeová poderia se perguntar: qual é, essencialmente, a diferença entre essa crença e a crença espírita de que os mortos estão ativos no mundo espiritual e participam nas atividades dos vivos? Ou a crença católica de que os ‘santos’ podem intermediar entre os cristãos e Deus?
Extraído da Apostila “As TJs e o Ocultimo”.

Nenhum comentário