Page Nav

HIDE

Post/Page

Weather Location

Últimas Informações:

latest

Diferença entre Contrails e Chemtrails:

Contrails – rastros deixados por aviões comerciais normais derivados das diferenças de temperatura dos gases deitados pelas turbinas, desapa...


Contrails – rastros deixados por aviões comerciais normais derivados das diferenças de temperatura dos gases deitados pelas turbinas, desaparecem segundos depois de sua formação, acompanhando o percurso do avião e, só se formam, sob certas condições:

* Altura superior a 8000 metros. * Humidade relativa igual ou superior a 70%. * Temperatura inferior a – 40º C. Contudo os Chemtrails são formados por toxinas e metais pesados, dispersos deliberadamente com uma intenção (projecto Coverleaf / Case Orange) através de aviões preparados para o efeito, aparecem em altitudes inferiores onde a temperatura não chega a esses mínimos e, permanecem ali durante horas no céu.



Poderá obter gratuitamente uma parte dum livro (versão inglesa) de cerca de 300 páginas sobre Case Orange – da Belfort Group, através de download aqui, com toda a informação que necessita.

No entanto várias pessoas, tal como no projecto “Case Orange” rejeitam o termo “Chemtrails”, sendo o mesmo hoje associado às “teorias de amadores de conspiração”. Qualquer rasto de avião que permaneça mais de 1 ou 2 minutos na atmosfera poderá ser considerado como Chemtrail. Porém, independentemente do nome, sabe-se na realidade que a geoengenharia como controle climático está em curso à cerca de mais de 60 anos, tendo sido já usada como arma de guerra em Hamburgo – no Reino Unido, durante a II Guerra Mundial e também utilizada no conflito do Vietnam, pelos EUA. Segundo um relatório de 1996 por militares no topo dos EUA, este projecto de controle de clima estaria em curso com um forte envolvimento dos governos ao mais alto nível, tendo sido designado o ano de 2004 um período para criar nuvens inteligentes através da nanotecnologia, com um aumento substancial a partir de 2010.

Talvez por isso são cada vez mais evidentes os rastros químicos encontrados no céu. Os produtos tóxicos constituidos e designados para a criação de nuvens artificiais no “Case Orange” são porém encontrados nos testes feitos actualmente nas zonas afectadas por Chemtrails. Muitos dos aviões utilizados para Chemtrails foram modificados interiormente para essa função, muitas vezes sem que essas alterações constem da estrutura de base do projecto do avião comercial havendo, por outro lado, uma constante desinformação a nível internacional sobre a existência deste projecto.

No entanto actualmente, devido à larga pressão exercida nos media por milhares de pessoas em todo o mundo, começa-se a verificar Chemtrails muito tênues e curtos, semelhantes a Contrails normais, para que não sejam tão visualmente notados pelo público em geral. São também feitos sobre as nuvens ou à noite, para não estarem tão visíveis…

O que são Chemtrails?

A palavra Chemtrails significa rastros químicos ou substâncias tóxicas pulverizadas no céu por aviões, que contaminam o solo dizimando os ecossistemas ao redor do planeta. São constituidos por produtos perigosos e danosos para a saúde, entre outros produtos o bário, fibras de vidro revestido de nano-alumínio (conhecidas como CHAFF), tório radioativo, cádmio, cromo, níquel, sangue desidratado, esporos de mofo, micotoxinas de fungos amarelos, fibras de polímero (filamentos de silício), EDB (dibromoetano, pesticida químico já proibido) e uma vasta lista de sustâncias não identificadas. O bário pode ser comparada à toxicidade de arsénio e é conhecido por afectar o coração. O alumínio tem um longo historial conhecido por prejudicar a função cerebral.



Alguns funcionários “anónimos” do governo dos EUA reconheceram estar em curso a pulverização por aerossol destas toxinas através deste projecto, além de terem sido detectados resultados em testes feitos em diferentes locais, neste mesmo país. O projecto de geo-engenharia climática actualmente a desenvolver pelos EUA inclui pulverizar entre 100 e 200 mil milhões de toneladas de alumínio em todo o globo anualmente, para “salvar” o planeta duma catástrofe devido ao aumento da temperatura da Terra – ocasionada pelo Sol.
Os Chemtrails estão associados a projectos de interesses particulares de manipulação climática e, grandes lobbies internacionais ligados a interesses militares e económicos. Os aviões que lançam estas fumigações são na maioria aviões comerciais adaptados para esse efeito, os quais pulverizam uma poeira metálica electrónica inteligente que auxilia o projecto HAARP, bem como também supostamente o controle climático (Coverleaf Project/Cause Orange). No entanto, as partículas metálicas reflexivas deixadas à volta de todo o planeta também prejudicam o normal funcionamento dos raios solares, para além do ecossistema e a saúde humana. Como afectam? Chemtrails1Em zonas onde estão a ser utilizados em mais quantidade, mudanças dramáticas ocorreram em propriedades florestais longe de qualquer outra fonte de poluição, onde as árvores, plantas, os insectos, pássaros e animais selvagens misteriosamente começaram a morrer. Testes da água da chuva demonstraram resultados chocantes: o alumínio teria aumentado para níveis tão elevados como 50.000% com 3.400 ug/L., o que é literalmente uma chuva letal. Testes adicionais de pH do solo feitos por cientistas demonstraram que este estaria no equivalente a 11 vezes acima da alcalinidade normal. O alumínio age como um tampão que aumenta a alcalinidade do solo, o que pode dizimar a ecologia em grandes quantidades. É importante observar que estes testes foram realizados numa floresta, distante de qualquer fábrica, área urbana ou qualquer outro factor que eventualmente pudesse poluir. Os cardumes de salmão que eram vistos em abundância nesta mesma área diminuíram de 769.868 em 2002 para 39.530 em 2009. Uma queda de 90%. A dieta principal dos peixes no rio é de insectos aquáticos. Nas amostras colhidas antes das pulverizações do inicio de Chemtrails havia em média 1000 insectos aquáticos. A actual amostra rendeu apenas 31 insectos. Uma queda espantosa de 96%. Os peixes sobrevivem de insectos, por isso morrem de fome.
Tal como agora em Portugal, apicultores em várias zonas afectadas nos EUA também tiveram quebras elevadas de abelhas. Sem as abelhas as flores e frutos também desaparecem. Também se tem detectado milhares de bandos de pássaros que morrem repentina e periodicamente, inexplicavelmente em diferentes pontos do globo, além de peixes, morcegos, rãs e outros animais, devido ao ar contaminado que começa a surgir em todo o planeta devido a este aspecto.
Como exemplo, testes feitos à neve do Monte Shasta, na Califórnia, enviados posteriormente para o EPA – Enviromental Protection Agency, tiveram os resultados foram de 61.100 ug/L de alumínio, e 83 ug/L de bário. A quantidade padrão normal de alumínio na neve no Monte Shasta seria anteriormente de 0,5 ug/L. O alumínio em água potável é admissível no máximo em 50 ug/L. Isso significa que o alumínio detectado na neve no Monte Shasta é 1200 vezes mais tóxico do que o permitido em água potável. Os escaladores que vêm de todo o mundo estão a beber água envenenada da neve da montanha – uma zona inóspita, longe de qualquer outra possibilidade de intoxicação ambiental a não ser os designados Chemtrails.
Como exemplo para défice de mortalidade humana, os totais de anúncios de morte em São Francisco, em 2004 são 10 vezes superiores aos totais de 1995. O inicio da actividade intensa dos Chemtrails neste local foi em 1998. Até lá (1995-1998) o índice de mortalidade nesta localidade estava a descer…
Diversas doenças têm-se agravado mundialmente, principalmenta do foro respiratório e imunológico, para além de novas doenças estarem a surgir. Também em anos mais recentes verificou-se que as placas de captação de energia solar em muitos locais afectados também terão reduzido a sua capacidade para 60%, devido à falta de sol. Composição de Chemtrails: Diferentes bacilos, bactérias, toxinas e metais pesados que podem provocar diversas enfermidades, foram encontrados em datas e locais diferentes, nestes rastos químicos. Eis alguns dos componentes encontrados:
* Bário – Sais solúveis de bário – um metal pesado, tóxico para mamíferos. O sistema gastrointestinal absorve-os rapidamente, depositando-os nos músculos, pulmões e ossos. Tem efeitos tóxicos sobre o coração, vasos e nervos, Os sintomas de intoxicação por Bário produzem: fraqueza muscular e tremores, dificuldade em respirar, irritações no estômago acompanhadas de diarreia, ansiedade, irregularidades cardíacas e paralisia. Pequenas doses orais de bário podem somente causar vómitos e diarreia, diminuição da frequência cardíaca e pressão arterial elevada. Resultados em doses elevadas afectam o sistema nervoso e podem levar mesmo à paralisia, provocarem irregularidades cardíacas, fraqueza, tremores, ansiedade e dispneia. Poderá também ocorrer a morte por insuficiência cardíaca e respiratória. Doses em torno de 0,8 gramas podem ser fatais para seres humanos.
* Alumínio – Metal pesado, danoso para a saúde e para o ecossistema. Os sintomas de intoxicação incluem a constipação, perda de apetite, cólicas, náuseas, doenças de pele, espasmos dos músculos das pernas, transpiração excessiva e perda de energia ou extremo cansaço. Pequenas quantidades de sais solúveis de alumínio presente no sangue provocam forma lenta de envenenamento caracterizado por paralisia motora, ocasionando áreas de dormência local, com degeneração gordurosa dos rins e do fígado. Há também mudanças anatómicas nos centros nervosos e sintomas de inflamação gastrointestinal. O alumínio é uma neurotoxina que pode ser a causa de demência ou fragilidade degenerativa óssea ou lesão cardíaca, e mialgias ou problemas musculares. Acumula-se no cérebro, ossos e músculos.
Sistema Nervoso – em estudos com animais, o alumínio bloqueia a acção das potenciais descargas eléctricas das células nervosas, reduzindo a actividade do sistema nervoso. O alumínio também inibe enzimas importantes no cérebro (Na-K-ATPase e hexoquinase), bem como pode inibir a absorção de substâncias químicas importantes das células nervosas (dopamina, norepinefrina, 5-hidroxitriptamina, incluindo a serotonina). O stress, as atitudes de dependência, o excesso de peso, dores de cabeça, síndrome pré-menstrual e pensamentos suicidas muitas vezes têm uma relação directa com um nível de serotonina pouco elevado. O número de pacientes com doença de Alzheimer é estatíticamente proporcional à quantidade de alumínio encontrada na água potável.
Efeitos Comportamentais – demência resultante de diálise renal relacionada com a toxicidade de alumínio, provoca perda de memória, perda da coordenação, confusão mental e desorientação.
Sistema Digestivo – reduz a actividade intestinal, e por isso pode causar cólicas.
Condições possíveis associados com toxicidade do alumínio- Os primeiros sintomas de toxicidade são: flatulência, dores de cabeça, cólicas, secura da pele e das mucosas, tendência para resfriados, ardor ou calor na cabeça (sintoma aliviado pela ingestão de alimentos), azia e uma aversão à carne. Os sintomas tardios incluem condições de paralisia muscular, perda de memória e confusão mental.Outras condições possíveis associadas com toxicidade do alumínio:

* Doença de Alzheimer, hipoparatireoidismo, esclerose lateral amiotrófica, anemia, disfunção renal, disfunção hepática, hemólise, Leukocytosis, porfíria, colite, doenças neuromusculares, osteomalácia, cárie dentária, doença de Parkinson, demência dialíctica e úlceras.

* Dibromoetano – proibido desde 1984 pela EPA (Environment Protection Agency – Agência de Proteção Meio Ambiente). EDB (C2H4Br2) é um aditivo de combustível (JP-8 é um combustível para a propulsão que utilizam estes aviões) e é também um agente cancerígeno insecticida com um leve cheiro de clorofórmio. Diz-se ser semelhante ao iodeto de prata e, no passado foi já utilizado com o objectivo de produzir nuvens e para a modificação do clima. Uma vez que o corpo humano o tenha absorvido, pode provocar depressão ou colapso do sistema nervoso central e ocasionar edema pulmonar (acumulação de líquido nos pulmões). Os sintomas de edema pulmonar incluem falta de ar, ansiedade, dificuldades respiratórias e tosse. Este produto é extremamente irritante para mucosas e vias respiratórias. A absorção do dibromoetano pode ocorrer ao beber água ou ao respirar o ar contaminado por esta toxina. Pode prejudicar o cérebro ou danificar a pele, os espermatozóides e, pode até ocasionar a morte se a exposição a esta toxina for muito elevada.

* Pseudomonas aeruginosa – bactérias comuns que têm a capacidade de causar doença em seres humanos. Podem adaptar-se e proliferar em diferentes meios naturais. Pode até ser encontrado em entulhos ou terra (sugerindo um possível contaminação das amostras de solo por chemtrails). Surpreendentemente, hoje em dia são criados e fabricados com diversas finalidades por empresas como a PathoGenesis. Foram descobertas cepas naturais de bactérias na água potável e nos hospitais. Uma vez inalado por uma pessoa vulnerável (por exemplo, que sofra de fibrose cística), forma um aglomerado viscoso chamado biofilme que levanta uma espécie de muralha contra as defesas naturais do sistema imunológico. Uma vez que as infecções estejam introduzidas no corpo, P. Aeruginosa produz inúmeras proteínas tóxicas que não causam apenas danos aos tecidos, mas também interferem com os mecanismos do sistema de defesa imunológica.

* Pseudomonas fluorescens – outra estirpe de Pseudomonas encontrada mais frequentemente em solos e plantas. Estas produzem antibióticos que as protegem contra infecções bacterianas e fúngicas. Muito provavelmente será mais um contaminante na análise.

* Estreptomicinas – são usados para produzir a maioria dos antibióticos utilizados na medicina humana e veterinária. Também são utilizados como agentes antiparasitários em herbicidas e na fabricação de imunossupressores.

* Enzimas restritivas – utilizadas em laboratórios de pesquisa para cortar e recombinar o ADN. Quebram o ADN, criando uma abertura que permite inserir os segmentos desejados antes da recombinação final.

* Eritrocitos ou glóbulos vermelhos – Foram realizados estudos ao microscópio em amostras recolhidas no exterior com um filtro HEPA na região de Santa Fé, Novo México. Em várias ocasiões durante um período de três anos, Clifford Carnicom e sua equipe descobriram consternados, que havia células vermelhas do sangue das amostras. As melhores análises disponíveis de uma combinação vinda de fontes diferentes continuaram a confirmar que efectivamente as partículas biológicas eram eritrócitos. A recusa do Serviço de Protecção do Meio ambiente americano para identificar certos materiais fibrosos e biológicos dessas amostras demonstraram que eles estavam profundamente envolvidos no conhecimento desses relatórios.

* BCTP oleoso – aerossol líquido que se parece com leite desnatado, considerado um contaminante biológico do meio ambiente. Aparentemente, ele pode destruir o bacilo Carbúnculo, Anthrax, e os seus esporos. É um antibiótico de uso variado. Diz-se que não é prejudicial às plantas e tem boas propriedades como insecticida. No entanto, para uso interno em seres humanos, recomenda-se uma solução mais natural… Desde que surgiu o medo de ataques biológicos terroristas, soube-se que o exército nos EUA teve intenção de fazer ensaios com este agente descontaminante antibiótico, bastando para tal pulverizar umas bactérias benignas no ar numa determinada região e depois espalhar o BCTP para verificar quantas pessoas seriam afectadas pela bactéria em questão.

* Enterobacterias – incluindo E. coli e Salmonelas, que são os grandes culpados das intoxicações alimentares. O mais interessante da família Enterobacterias é a do tipo Klebsiella, espécies responsáveis por infecções pulmonares. Destaque-se que em Quebec são observados desde anos recentes, o aparecimento de infecções por E. coli e por Salmonelas, sem que se possa indicar qual a causa da sua origem.

* Serrania marcescens – um micróbio patogénico perigoso que se acredita poder ser a causa de doenças mortais, tais como a pneumonia, a meningite e endocardite bacteriana. Relatórios públicos indicam que uma das experiências maiores de pulverizações de Serratia marcescens terá sido sobre a cabeça dos habitantes de São Francisco. Este micróbio é particularmente detectável, pois uma vez que tenha desenvolvido produz um corante vermelho, por isso é fácil de identificar. Em certos períodos, pulverizaram-se 5.000 partículas por minuto em torno das zonas costeiras (Bay área). Embora os militares nunca tenham feito muitos estudos posteriores a estes testes, os resultados mostraram que quase todos os indivíduos locais foram infectados. Após a pulverização foi detectado um aumento entre 5 e 10 vezes maior do que as infecções localmente normais. Os Serviços secretos Canadianos publicaram informações fazendo referência a ensaios biológicos de São Francisco em 1950, no seu site. Em resumo, os militares dos EUA lançaram Serratia marcescens sobre a população de São Francisco para medir a eficácia de um ataque bioterrorista. Após este incidente manifestou-se uma epidemia de pneumonia, chegando a existir casos de morte. Este patogénico é altamente resistente aos antibióticos normalmente utilizados. Para um antibiótico poder matar ou inibir o crescimento destas bactérias deve ser capaz de penetrar a membrana para chegar ao bacilo. No entanto, a resistência do micróbio torna difícil ocorrer este processo.

Nenhum comentário