Page Nav

HIDE

Post/Page

Weather Location

Últimas Informações:

latest

A ditadura do “casamento” gay chegou ao Brasil

A ditadura do “casamento” gay chegou ao Brasil Julio Severo Flávio Sincero trabalha num cartório. Ele sempre se empenhou pela honest...


A ditadura do “casamento” gay chegou ao Brasil

Julio Severo
Flávio Sincero trabalha num cartório. Ele sempre se empenhou pela honestidade, dentro e fora do trabalho. Se o supermercado lhe dava troco a mais, ele não pensava duas vezes: devolvia o dinheiro que não lhe pertencia.
Sua integridade passará por uma prova de fogo.
No cartório, chegam dois homens, o sr. Estrebaldo Oportunista e o sr. Anúbio Vigarista, que sem demora dizem: “Queremos nos casar!”
“Para quando, senhores?” pergunta Flávio.
Ao receber a resposta, o homem do cartório indaga: “E qual é o nome de suas esposas?”
“Você está olhando para ela,” diz Anúbio, apontando para o barbudo Estrebaldo. “Queremos nos casar aqui.”
Flávio sua frio. Quando criança, ele escutava sua professora de escola dominical ensinar sobre a coragem de Daniel, que não se prostrava diante das leis erradas do rei babilônico Nabucodonosor. Mas ele nunca imaginou que tais provações pudessem também ocorrer nos dias de hoje.
Ele leu nesta semana reportagens de vários jornais dizendo que, sob iniciativa do ministro Joaquim Barbosa, todos os cartórios do Brasil serão obrigados a “casar” homossexuais.
Antes, ele ouvia de jornalistas que o movimento homossexual não queria impor nada sobre ninguém.
Agora, Flávio se sente traído por Joaquim Barbosa e pelos meios de comunicação.
Flávio se casou no ano passado e tem uma filhinha de poucos meses. Se ele não fizer o que Joaquim manda, o que será do seu emprego? Como ele conseguirá sustentar sua família?
E agora, o que fazer diante de Estrebaldo e Anúbio?
“Não posso casá-los…” diz ele.
“Como assim?” diz Estrebaldo.
“Casamento é apenas entre homem e mulher. Não existe casamento entre dois homens. Isso é artificial. Não é natural,” tenta argumentar Flávio.
“Seus pensamentos não interessam. A lei agora diz que você deve nos casar. Por isso, não há o que discutir aqui. Apenas faça o que a lei manda você fazer,” Anúbio afirma.
“Sou seguidor de Jesus Cristo. Tenho compromisso com a Lei maior, que é a favor da família. Só poderei casar vocês quando cada um de vocês trouxer uma mulher para ser esposa…” responde Flávio, sabendo, tristemente, qual será a próxima reação.
“Neste caso, seu cristão de meia tigela, vou imediatamente à polícia abrir um boletim de ocorrência contra você e seu preconceito e ódio contra nosso direito de casamento! Você não pode impor seus valores sobre nós!” grita Anúbio.
Anúbio e Estrebaldo estão certos. Os cristãos não podiam “impor” seus valores na Alemanha nazista e na União Soviética, que impunham seus valores anticristãos sobre todos, inclusive sobre os cristãos.
Novamente, os cristãos se deparam com uma ditadura que quer forçá-los a violar sua consciência.
Outros já trilharam esse caminho, inclusive Daniel na Babilônia.
Quem diria que um dia — mais precisamente, em nossos dias — teríamos a oportunidade de colocar em prática o testemunho de Daniel em nossas vidas e empregos?

Nenhum comentário