Page Nav

HIDE

Post/Page

Weather Location

Últimas Informações:

latest

Sex shops voltados ao público evangélico chegam ao Brasil. Você concorda com a prática?

O crescimento de  sex shops voltados para o público cristão  é uma realidade que já há alguns anos vem se tornando popular nos Estados Uni...

Sex shops voltados ao público evangélico chegam ao Brasil. Você concorda com a prática?
O crescimento de sex shops voltados para o público cristão é uma realidade que já há alguns anos vem se tornando popular nos Estados Unidos. Agora, a prática, que já existe também em países como a Holanda, começa a se disseminar também no Brasil, com o início de empresas que apostam nas vendas de apetrechos sexuais pela internet para abarcar os evangélicos como público.
Empreendimentos desse tipo normalmente tem a internet como seu campo principal de atuação, sob a justificativa de manter a privacidade de seus clientes. De acordo com o iG, uma empresa pioneira nesse mercado no Brasil é gerida pelo empresário Maicon Santos, um solteiro de 30 anos, que afirma que sua ideia para o empreendimento “surgiu ao ler livros evangélicos sobre sexo, divórcios e casamentos nas igrejas”.
- Percebi a falta de ‘atrativos’ para ajudar na manutenção do relacionamento. Após pesquisas, descobri que já existem sites no exterior e adotei a ideia – explicou o empresário, que afirma que o diferencial da sua empreitada está na venda de produtos para casais e produtos sensuais ‘leves’.
- Não temos artigos sadomasoquistas, anais, nem homossexuais. O site já está no ar há um ano e vende bem – explica Maicon, que é evangélico, mas não frequenta a igreja.
O casal cristão Hugo e Lorena Brandão, de 28 e 27 anos, juntos há cinco e pais de bebê de um ano, defendem a ideia afirmando que usar apetrechos sexuais durante a relação não é pecado.
- Tudo vale a pena com moderação. Fantasias, gel e algemas deixam o relacionamento renovado, surpreendem o parceiro – acredita Hugo, que só não vê revistas ou vídeos pornográficos porque quer “sempre manter a esposa como foco principal do desejo”.
O empreendimento é também visto com bons olhos pelo pastor Daniel Lopes, da Assembleia de Deus de Rocha Miranda, que encara com naturalidade a novidade, mas diz que ainda há limites.
- Não vejo problema de casais casados comprarem artigos de sex shops, contanto que os dois concordem – explica o pastor, que é casado há mais de 20 anos e usa o livro bíblico de Cantares como pilar para defender a ideia.
- Existem muitas pessoas retrógradas, que não leem a Bíblia. O livro de Cantares mostra como deve ser uma vida a dois. O mais importante é que haja amor, compreensão, diálogo, sinceridade e respeito entre o casal. Não existe casamento perfeito, mas existe casamento feliz – completa.
André Sanchez, que é presbítero na Igreja Presbiteriana Bela Jerusalém, em Ribeirão Preto, e colunista do Gospel+vê o uso de objetos comumente encontrados no sex shop com cautela. Apesar de afirmar que o uso de alguns itens para apimentar a relação não seja pecado, ele ressalta que “nem tudo que tem dentro de um sexshop deve ser usado por um cristão”.
- É preciso refletir se aquilo de alguma forma fere algum principio da Palavra de Deus. Ou se aquilo não fere a dignidade do casal, ou do homem e da mulher enquanto filhos de Deus, ou gere conflito ao invés de unir. É algo que precisa ser bem pensado já que hoje nosso mundo tem sido muito atormentado com distorções em relação ao sexo e a sexualidade – ressalta Sanchez.
A agente de viagens Aline Suzano e o militar André Sanches, ambos de 31 anos, são casados há três anos e afirmam não dispensarem novidades que “agitem a rotina”. Aline afirma ainda que espera ver as igrejas tratarem o tema com mais abertura.
- Nas reuniões de jovens que estão se preparando para se casar o assunto deve ser discutido – afirma.
Por Dan Martins, para o Gospel+

Nenhum comentário