Page Nav

HIDE

Post/Page

Weather Location

Últimas Informações:

latest

O que é o Projecto HAARP?

O projecto HAARP – High Frequency Active Auroral Research Program, tem como objectivo explorar a ionosfera para propósitos económicos ou do...



O projecto HAARP – High Frequency Active Auroral Research Program, tem como objectivo explorar a ionosfera para propósitos económicos ou do Departamento de Defesa dos EUA, estando disfarçado de experiência para controlo de clima.

Em termos muito simplificados, o projecto HAARP é a bomba nuclear do século XXI. É a nova geração de “armas amigáveis”, porque ao contrário do arsenal atómico, não produz a radioactividade destas, mas as suas consequências co-laterais podem ser bem mais devastadoras. Para grande surpresa de quem nunca ouviu falar disto e contribuindo para o colapso do sistema ideológico de quem crê no futuro, este projecto esteve em fase de testes desde 1994 e tornou-se operacional em 1998.

Trata-se duma tecnologia de super-poderosas ondas de rádio, para partes da ionosfera, de forma a aquecê-las. As ondas electromagnéticas ressaltam então para a terra e afectam tudo, nomeadamente o subsolo. Esta arma pode ocasionar fenómenos meteorológicos produzindo excesso de chuva ou seca, ciclones, tsunamis e terramotos.

Também pode sondar e pesquisar o subsolo – nomeadamente na procura de ouro, petróleo ou ogivas nucleares. Cientistas e pesquisadores de todo o mundo defendem que grande parte dos fenómenos meteorológicos anormais em muitas partes do globo têm origem neste projecto desde à longo tempo. Como nasce? A tecnologia, ainda que extremamente avançada, tem origem nas teorias de Nikola Tesla em 1900, sobre a transmissão de energia sem recurso a fios condutores.

Tesla provou que era possível criar gigantescas ondas electromagnéticas com quilómetros de extensão entre períodos – ELF (Extremely Low Frequency Electromagnetic Waves). A primeira experiência de radiação ionosférica data de 1932. O HAARP transformou as teorias em realidade recorrendo ao Electrojacto (um rio de electricidade que flui entre a magnetosfera e as regiões polares, num arco de mais de 100km, carregado com milhões de amperes).



A contribuição fatal para este projecto foi fornecida pela patente (US4686605) de Bernard Eastlund, um físico do Texas que desenvolveu o “Method and Apparatus for Altering a Region in the Earth’s Atmosphere, Ionosphere and/or Magnetosphere”.

Este método permite aos transmissores do HAARP concentrar um foco de radiação super-carregada para a ionosfera, de tal forma poderoso que é capaz de a içar enquanto a aquece. As previsões avançadas por membros da comunidade científica é que, sem dividir átomos ou construir bombas, esta tecnologia é capaz de produzir um pulso electromagnético idêntico a uma explosão nuclear de várias megas toneladas e causar danos atmosféricos superiores aos de uma detonação termonuclear.

Pode causar rupturas nas camadas protectoras da atmosfera, convocando cataclismos pseudo-naturais e destruindo o equilíbrio geofísico do planeta. Poderá ter a capacidade de detonar à distância é uma ogiva nuclear, criando um escudo de defesa anti-míssil que proteja o território nacional.

Qual a relação com os Chemtrails? A presença de substâncias como alumínio, bário, cálcio, magnésio e titânio no ar, deixados através dos Chemtrails, são boas condutoras de calor e electricidade, auxiliando este projecto. O sulfato de bário é também um excelente absorvente de raio X, sendo utilizado nas ligas para fibras ópticas e lâmpadas fluorescentes.

O alumínio conduz electricidade quase tão bem como o cobre. A dispersão destes químicos na atmosfera tem a intenção de aumentar a condutividade electromagnética que está a adensar-se em torno da Terra. Naturalmente que esta poeira electrónica inteligente, constituida por uma nano tecnologia, ajuda a condutividade produzida pela frequência das antenas HAARP.

Também são as grandes responsáveis pelo aumento da temperatura global em todo o planeta… Só por si, os metais pesados serão suficientes para afectar todo o ecossistema terrestre.

Alguns pesquisadores acrescentam que as antenas locais (de telemóveis, rádios, TVs, etc.) colocadas em zonas habitacionais produzem uma espécie de “sopa” electrônica que também contribui para a condutividade electromagnética das antenas deste projecto.

Uma experiência interessante feita em Lleida (Catalunha-Espanha) com orgonite (colocada em torno das antenas locais), parece demonstrar a anulação dos efeitos dos Chemtrails no céu localmente, e dificultar as frequências de HAARP. A orgonite é um produto feito para transformar a energia DOR negativa produzida pelas antenas locais instaladas, em energia orgônica positiva, também conhecida pelo nome de prana ou chi, funcionando este produto como um acumulador, criado segundo o princípio do psicólogo e cientista Wilhelm Reich.

Resumidamente e, noutro outro ponto de vista, as toxinas existentes deixadas pelos Chemtrails além de prejudicar a saúde pela sua composição, funcionam através da emissão das frequências do projecto HAARP tal como se fossem antenas colocadas no céu sobre as nossas cabeças, com todas as suas consequências de radiação electromagnética danosa para a saúde do ser humano e da biodiversidade existente… Pensa que são teorias de conspiração ou ficção científica? Uma das “vantagens” desta “arma amigável” é que pode ser utilizada contra qualquer país sem que o mesmo se aperceba do que está a acontecer, desde estar a ser utilizado para experiências militares ou mesmo que está a ser atacado.

Armas de raios electromagnéticos são exemplo duma ficção científica que se tornou um facto científico. Um artigo da MSNBC / Associated Press retrata as armas no campo de batalha do futuro – as armas que cegam, queimam a pele, ou matam usando feixes de energia electromagnética. Estas e outras “armas não-letais”, como são chamadas, têm sido utilizadas por décadas. Para um breve resumo da história e do desenvolvimento de armas não-letais e de controle mental desenvolvido durante décadas, clique aqui.

Não são apenas “teóricos da conspiração” que estão preocupados com HAARP. Em Janeiro de 1999, a União Europeia considerou o projecto ser de uma preocupação mundial e aprovou uma resolução pedindo mais informações sobre os riscos para a saúde e meio ambiente. Apesar destas preocupações, funcionários da HAARP insistem que o projecto não é nada mais perigoso do que um centro de investigação científica de rádio.

Para visualizar o documento da União Europeia (UE), que coloca o projecto HAARP e outras armas similares eletromagnéticas em questão, clique aqui.

Veja o próprio texto, no ponto 24 do presente documento dizendo que a UE “considera que o HAARP, em virtude do seu impacto de longo alcance sobre o meio ambiente, seja considerado uma preocupação global que pede implicações legais, ecológicas e éticas, as quais devem ser examinados por um órgão internacional independente, antes de qualquer maior investigação e testes. ” Este documento afirma ainda que a UE lamenta a recusa reiterada do governo dos EUA de enviar um representante para prestar depoimento sobre o HAARP.


Localização das Bases Haarp no Mundo.


O CBC do Canadá documentou também um vídeo sobre o projecto HAARP (cerca de 15m).

Canal História apresentou um óptimo programa informativo sobre armas electromagnéticas e o projecto HAARP (cerca de 45m). Para que serve? Em documentos oficiais, a USAF afirma que as finalidades militares deste projecto servem as seguintes áreas: bloqueio de comunicações, controlo de grupos terroristas, controlo de massas (crowd control), controlo de quebras de segurança em instalações militares, técnicas anti-pessoais em combate táctico. Reportam também que pode cobrir áreas geográficas com um único, manobrável e reflector pulso electromagnético de forma a penetrar profundamente a superfície terrestre para localizar estruturas subterrâneas e fazer pesquisa de reservas fósseis e minerais (ouro, diamantes, petróleo, gás).

Poderá ter a capacidade de detonar à distância é uma ogiva nuclear, criando um escudo de defesa anti-míssil que proteja o território nacional.

A HAARP dependendo do tipo e frequência pode afectar a biologia e a mente humana, influenciar o clima, afectar aparelhos electrónicos, alterar a dinâmica tectônica terrestre, e manipular a atmosfera para diversos fins – essencialmente, tudo que as ondas electromagnéticas convencionais não podem fazer. Poderá, através da radiação emitida, afectar o ser humano com diversos sintomas: fadiga extrema, grande confusão mental, perda de memória a curto prazo, dores articulares, declínio da visão e mesmo disfunções permanentes e irreversíveis ou doenças graves do foro neurológico. Mas o potencial destas emissões não termina aqui, para além de ser possível, através de diferentes frequências, controlar os estados psíquicos humanos, desde a histeria à passividade, da euforia à depressão, e mesmo induzir uma espécie de hipnose de massas, provocar agressividade, letargia ou sono.

Em 1998, James C. Lin escreveu “Electromagnetic Interaction With Biological Systems” (Interação Eletromagnética com Sistemas Biológicos) que abordava o tema de como a transmitir idéias e palavras através de ondas electromagnéticas. Este e muitos outros cientistas e pesquisadores escreveram vários livros sobre o controle mental através de frequências electromagnéticas, sendo esta ferramenta à muitos anos utilizada de várias formas como arma em muitos países.

The Naval Intelligence e outros grupos têm realizado pesquisas em ELF (Extremely Low Frequency) – frequência baixas de ondas electromagnéticas no corpo e na mente humana. Podemos resumir aqui algumas das imensas coisas que podem ser feitas no corpo e na mente humana com as frequências ELF:

* Colocar uma pessoa a dormir ou num estado zombe.
* Tornar uma pessoa cansada ou deprimida, ou com sentimento de medo.
* Criar um estado violento ou criar um estado sexualmente agressivo.
* Alterar a química celular.
* Mudar níveis hormonais.
* Inibir ou aumentar a síntese/processos de M (RNA).
* Controlar o processo de transacção de DNA.

Estas ondas magnéticas situam-se no mesmo espectro de frequência das ondas cerebrais, e podem provocar tonturas, náuseas, vertigens, fadiga, dores de cabeça, vómitos e mesmo disfunções permanentes e irreversíveis. Isto permitiria desestabilizar de tal forma um hipotético inimigo que ele não teria capacidade de resposta. Mas o potencial destas emissões não termina aqui, é possível através de diferentes frequências, controlar os estados psíquicos humanos, desde a histeria à passividade, da euforia à depressão e, mesmo induzir uma espécie de hipnose de massas. Como se isto não bastasse, a arma propriamente dita é bastante mais ambiciosa.

Um estudo de simulação para futuros cenários de defesa, descrita num relatório da Air University da USAF, incita as Forças Aéreas dos Estados Unidos a controlar o clima capitalizando as tecnologias emergentes e investindo no seu uso bélico. Desde aumentar a eficácia do combate norte-americano, a diminuir a do inimigo, o uso em pequena escala da engenharia climatérica, ou o domínio sobre as capacidades de comunicação, oferece um enorme leque de oportunidades estratégicas. Nos Estados Unidos, a modificação do clima, tornar-se-á provavelmente uma parte da política de segurança nacional com aplicações domésticas e internacionais.

O HAARP no Alaska não é o único aquecedor ionosférico do planeta. Sabe-se que existem vários centros localizados noutros locais (Noruega, Japão, Rússia, etc.), assim como centros de apoio, havendo ainda alguns em contrução.

Muitos realizam o mesmo processo: utilizam antenas de alta frequência para aquecer a ionosfera e criar uma aurora artificial. Essa mesma aurora artificial é muito aquecida, o que pode gerar elevação nas temperaturas em determinadas localidades do planeta. Em uma espécie de efeito estufa ionosférico, os locais abaixo da ionosfera atingida pelas antenas do HAARP podem ter as suas temperaturas elevadas em alguns graus centígrados.

Segundo estas teorias, seria possível afectar placas tectónicas, a temperatura atmosférica e até mesmo o nível de radiação que passa pela camada de ozônio. Todas estas possibilidades podem gerar uma série de problemas para as populações atingidas.

Afectando países inteiros, desastres naturais podem minar economias, dizimar concentrações populacionais e gerar instabilidade e insegurança em toda a Terra. Segundo a Dr. Rosalie Bertell, estes métodos incluem o aperfeiçoamento de tempestades e o desvio de correntes de vapor atmosféricas de forma a produzir secas ou cheias (devido a excesso de chuvas) em locais alvo. O HAARP é capaz de criar zonas de pressão atmosférica prolongada (criação de ciclones) e, a quantidade de energia bombardeada para o solo gera tanta vibração que pode mesmo desencadear terramotos. O uso deste tipo de tecnologia não serve unicamente o propósito de fazer uma Guerra de Clima (Weather Wars), pois permite sobretudo controlar climatericamente o desenvolvimento de outros países, destabilizando a sua economia, inutilizando a sua agricultura, destruindo as suas infra-estruturas… além de poder afectar a mente e saúde humana.

Segundo documento oficial das Nações Unidas – General Assembly GA/COL/3160, elaborado em 2007, por uma comissão especial para o processo de descolonização dos EUA no processo de Puerto Rico, segundo declaração de ALEDIA CENTENO RODRIGUEZ, da Frente Patriotica de Arecibeño, o centro local de Astronomia e Ionosfera Centro (NAIC), foi usado como um ” aquecedor da ionosfera “(uma série de antenas que são utilizados para o aquecimento da parte superior da atmosfera). Arecibo também foi mencionado como um teste para HAARP, para experiências relacionados com a manipulação da ionosfera. HAARP poderia funcionar como defesa anti-míssil e sistema anti-aeronaves, autorizar a intercepção e a interrupção das comunicações, meteorologia e comunicações com submarinos ou subterrâneas, entre outros aspectos. Os documentos da patente HAARP também afirmavam que a invenção poderia “simular e executar a mesma função realizada pela detonação de um dispositivo nuclear do tipo pesado”.

Os cidadãos de Arecibo não foram informados das consequências ou possíveis efeitos destas experiências atmosféricas. Demonstrações encontradas na literatura sobre as mesmas admitem o uso de raios laser visando a atmosfera. Houve um alto índice de casos de câncer de origem desconhecida nesta região.

Tal como a frequência utilizada nos radares dos submarinos é suspeita de provocar os frequentes episódios de baleias e outros cetáceos que encalham moribundos nas mais variadas costas, acredita-se também que a projecção da electro-poluição do HAARP tenha efeitos semelhantes nos padrões migratórios de peixes, aves e outros animais.

haiti-earthquake_11Sobre o Haiti… A maioria da população desconhece quer o terramoto de 12 de Janeiro de 2010, que matou mais de 200 mil pessoas no Haiti, tornou exploráveis as imensas reservas de petróleo existentes naquele país, sendo que décadas atrás, devido a interesses particulares e circunstâncias geopolíticas, teria já sido tomada a decisão pelos EUA de manter o petróleo haitiano na reserva para quando o Médio Oriente escasseasse. O problema que as nações e os povos da região enfrentam é que as catástrofes naturais serão uma moeda de troca corrente nas próximas décadas, sendo o Haiti o primeiro capítulo de uma nova série pautada pelo posicionamento militar estrangeiro em toda esta região.

Alguns especialistas dizem que por trás de vários terramotos, ciclones e chuvas torrenciais a nível internacional, estará o projecto HAARP a funcionar, com alguma finalidade , pois a sua fase de experiências já foi ultrapassada.



Base Maritima Haarp

Chavez acusa EUA de usar a arma HAARP no Haiti. Fontes informativas Russas sugerem que HAARP foi utilizada contra o Haiti, podendo vir a ser utilizada contra o Irão.

Na Universidade de Tokyo no Japão, detectaram a existência de dados de emissão de frequências de HAARP através dum aparelho de medição nos dias 10, 11 e 12 de Janeiro 2010, precisamente no momento do sismo do Haiti.

Coincidência ou crime de guerra?

Benjamin Fulford tem investigado certas questões relacionadas com terramotos em diferentes locais.

Num vídeo captou uma misteriosa luz, que se poderá identificar com uma sofisticada arma de plasma, vista antes do terramoto de Niigata, em Julho de 2007.

Também luzes vermelhas, brancas e azuis foram vistas próximo do epicentro antes deste terramoto recente na China.

Por outro lado, satélites em Taiwan mediram uma quebra de 50% na energia na ionosfera sobre o epicentro de Sichuan no dia antes do terramoto.

Em ambos os locais de terramoto existiam instalações militares nucleares chinesas que poderiam ter sido visadas como alvo. Parece também existirem coincidências noutros aspectos.

No caso do Tsunami na Indonésia por exemplo, parece que este terá sucedido num momento político importante. Os EUA teriam anteriormente proposto a este país para abrirem o Estreito de Malaca, e a juntarem-se na luta contra o “terrorismo”, algo que o governo da Indonésia se terá recusado na altura Tal como no terramoto do Haiti, em poucos dias após o tsunami na Indonésia, a frota da América do Norte estava lá a ajudar com mantimentos e a prestar auxílio.

Depois disto naturalmente que a Indonésia aceitou o acordo requerido.

Paralelamente à HAARP poder estar a ser utilizada como arma para criar terramotos, tsunamis, ciclones, etc. também “actos de terrorismo ocasionais” têm sucedido em diferentes países, parecendo querer forçar os mesmos à necessidade de um maior controlo de regiões por parte dos EUA. Poderá ser tudo somente coincidència?

Nenhum comentário